TEMPLATE ERROR: Error during evaluation of all-head -content LEI DO SACOLEIRO, VALE A PENA? ~ Ronald Albanez

Pesquise no Site

Carregando...

LEI DO SACOLEIRO, VALE A PENA?

Em vigor desde a primeira segunda-feira de 2011, já é possível a regularização da atividade conhecida como sacoleiro, aquela pessoa que viaja ao Paraguai em busca dos produtos ali vendidos.

Como não poderia ser diferente, surge num primeiro momento uma certa cautela quanto a conveniência em se tornar um importador terrestre legalizado e não poderia ser diferente. Além do cadastro obrigatório na Receita Federal, o interessado deve ser proprietário de uma empresa no regime de tributação conhecido como Simples Nacional, só poderá comprar de lojas no vizinho país que também aderiram ao sistema e informar ainda dados referentes ao transportador da mercadoria.

O limite anual para importação é de R$ 110.000,00 que, em média nos leva a cifra de R$ 9.160,00 por mês mas na verdade, existe um limite por quadrimestre mas para efeito do referido comentário, vamos nos ater aos R$ 9.160,00 mensais. Valerá à pena considerando-se que o que dá mais lucro é proibida a importação?

Antes de mais nada, para se abrir uma empresa no Brasil, mesmo sendo micro, tem um custo ce uma burocracia omplicada. Além de um local apropriado para comércio, vêm os alvarás e as taxas da vida. Sem contar ainda a necessidade de nota fiscal, contador e demais serviços de apoio que qualquer negócio necessita.

Agora vejamos. Você compra R$ 9.160,00 de produtos para revender no Brasil, inclue no preço o imposto de importação e aí o custo já vai para R$ 11.450,00 e pimba, já pode começar a revender os produtos.

Mas qual será a margem de lucro bruta sobre a compra? Deve ficar, no mínimo em 50% tomando-se o cuidado para não encarecer demais o produto e assim, você venderá seu estoque por R$ 17.175,00, com um lucro bruto de R$ 5.725,00. Mas em cima das vendas você ainda tem o ICMS – taxa não definida ainda – mas digamos que fique em torno de 5%, então lá vem um custo de R$ 858,75. Mas e o Imposto do Super Simples que inclue PIS, Cofins, INSS e outros encargos. Deverá ficar na casa dos 8% e aí, mais uma despesa de R$ 1.374,00 que você mandará para Brasília.

Sobra quanto? R$ 3.492,25. E o custo de transporte, água, luz, telefone, aluguel se tiver e outras despesas administrativas, sobrará o que, milão? A princípio a Lei deveria beneficiar os mais humildes, os laranjas mesmo,  mas eles não possuem capital suficiente para entrar no negócio. Já aqueles que estão no ramo há anos, estão acostumados a faturar pesado sem a burocracia federal e não será por uma merreca, como disse um amigo, que deixarão o barco.

Outra coisa, o negócio poderá ser bom se bem gerido e se a sede for em Foz do Iguaçu e as vendas exclusivamente pela Internet com apoio logístico dos correios. Sair de um local distante para chegar aqui, pagar todos os tributos que incidirão sobre o negócio, o torna inviável. Sendo assim, analisando à grosso modo, será um negócio que dificilmente decolará pois como já disse, a coisa já está enraizada e mudar a forma de agir de uma pessoa não é tarefa assim tão fácil. Tudo bem que a receita apreendeu milhões em 2010 em contrabando mas e o que passou?

Se alguém vê uma luz no fim do túnel para o assunto que abordo, fique a vontade para expor suas opiniões. Lembro que as tarifas citadas são aproximadas mas que são obrigatórias. Ótima quarta a todos.

 
Design by Wordpress Theme | Bloggerized by Free Blogger Templates | Grocery Coupons